Oração Lakota (Sioux)

Oração Lakota (Sioux)

Wakan Tanka, Grande Mistério
Ensina-me a confiar
Em meu coração,
Em minha mente,
Em minha intuição,
Em minha sabedoria interna,
Nos sentidos do meu corpo,
Nas bençãos do meu Espírito,
Ensina-me a confiar nessas coisas
Para que eu possa entrar no meu Espaço Sagrado
E amar muito além do medo
E assim caminhar na beleza
Com o passo do glorioso Sol

Amigos do Blog Xamãs na Umbanda

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Até quando ? somo todos Um?




A diversidade de religiões que vem se disseminado através dos tempos, tem nos tornado soldados? Refens? Até Quando? Ou a pergunta deveria ser o que realmente queremos ser? e chegar? no Progresso? Na evolução? Perseguimos ao progresso espiritual, de uma maneira sadia?para o olhar de alguns, e doentia para outros. Que consequências estamos deixando para as gerações futuras, com tantos dogmas, doutrinas, liturgias e magias. Somos todos um? Então logo sentiremos o reflexo de tudo isso, ou estamos mergulhados em um profundo e obscuro pensamento de um progresso, que não percebemos os sintomas, e as perdas. Nos sentimos parte do todo, ou apenas quando nos convêm? Não sentimos as perdas, que assolam nosso planeta, se não bastasse o que acontece ao nosso redor.  Que ficuldade é essa,  o que Falta? Deixar a insana busca pela a ascenção do espirito, e realmente vivermos a humanidade em nós. Buscamos como filhos do planeta, a integração com os reinos, com as forças naturais, com nossos ancestrais,  com os filhos dessa terra, exceto os iguais, não nos sentimos iguais? Quanta superioridade à em nós? Quanta indiferença aos Iguais? Não sentimos as Perdas? Planeta a Fora. Magias, cultos,  liturgias, religiões, terapias, até Quando? Somos Uno? Ou fazemos parte de grupos, onde os dogmas e as auto doutrinas é que são as verdades absolutas. O ego é o grande buraco negro de nosso universo interior, e está em expansão.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

O QUE É ESPIRITUALIDADE?







O homem é um ser espiritual vivendo em uma realidade física, terrena. Uma experiência evolutiva com vistas ao aprimoramento da personalidade. O espírito é uma jóia, um diamante raro que reflete mais ou menos a luz criadora em função das escolhas que o livre-arbítrio faz durante as sucessivas possibilidades de aperfeiçoamento que o próprio universo concede, não apenas ao homem, mas a todas formas de vida, sejam elas do reino mineral, vegetal ou animal.

Tudo é cíclico, tudo é vivo, se refaz e se desfaz como as próprias partículas atômicas que compõem a estrutura molecular do grande universo que nos abriga, por ora. E sendo espiritual, o homem em algum momento de sua vida descobre essa realidade que nada tem a ver com religiosidade. Em algum momento o homem se move e se posiciona em sua vida respaldado na espiritualidade que nada mais é senão essa conexão com a sua morada interior, com esse espaço sagrado de onde vêm todas as certezas, as respostas, as soluções, os segredos. A origem da vida, os mistérios, a ancestralidade, a genética espiritual, o nosso acervo original. Aquele que é própria vida, pois é e ao mesmo tempo está contido na concepção original da raça humana. Espiritualidade é um jeito de ser e de viver porque pressupõe a crença em uma realidade que extrapola as dimensões da tridimensionalidade, do concreto, do lógico, do provável e do comprovado.

Espiritualidade é realmente um estado do espírito, a manifestação do sagrado que brota naturalmente como consequência de uma vivência íntima do espírito.

A espiritualidade é uma experiência cotidiana, como olhar para o próximo e vislumbrar o seu lado divino e não as imperfeições que aprisionam, é se levantar e agradecer simplesmente por estar vivo, é perceber o azul do céu, o canto dos pássaros, a chuva que refaz os ciclos da vida, a exuberância de uma flor, a mão que mostra o caminho, o amigo que fica bravo com você e te acorda para a necessidade de mudar. É se fazer merecedor dessa oportunidade maravilhosa que é viver. É acreditar no amor sempre. No beijo, no abraço, no olhar. É a fé no inexplicável, no intangível.


Extraído do site Jornal Infinito - http://www.jornalinfinito.com.br/
http://ceu-namaste.blogspot.com 

domingo, 14 de setembro de 2014

Minha Fé








Minha fé vem sendo trabalhada, testada a todo segundo, minuto, hora e dia
nesta vivencia humana que nos encontramos, somos expostos a energias diversas
a convivência com nossos irmãos contemporâneos com todas as diferencias imagináveis e desconhecidas. Minha fé tem que ser límpida como água de uma fonte, despida de preconceitos
Minha fé tem que ter a energia das Matas, com toda a sua plenitude
Minha fé precisa ter a força dos ventos a energia do fogo
Minha fé
Mas e minhas fraquezas, essas que sofrem um  diário ataque por tudo que me rodeia
onde encontrar forças para perceber que sou eu, lutando contra as minhas fraquezas
E onde entra a minha fé nesta luta?
Na condição de perceber que terei invariavelmente de conviver com todas as virtudes e fraquezas de meu ser humano, nesta vivencia plena de consciência, em que a Espiritualização é um importante aliado nesta etapa.
Se hoje estou Umbandista, Religião esta que nos da a total liberdade de convivermos com nossa própria consciência. Pois Nossa Amada Umbanda não exige, Ela nos ensina, como um Bom Pai Mãe. A  reforma intima, são os primeiros passos para uma caminhada verdadeira, onde a fé será alicerçada na verdade.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Obediência e Resignação

Capítulo 9 – BEM-AVENTURADOS OS MANSOS E PACÍFICOS
LÁZARO
Paris, 1863

            8 – A doutrina de Jesus ensina sempre a obediência e a resignação, duas virtudes companheiras da doçura, muito ativas, embora os homens as confundam erroneamente com a negação do sentimento e da vontade. A obediência é o consentimento da razão; a resignação é o consentimento do coração. Ambas são forças ativas, porque levam o fardo das provas que a revolta insensata deixa cair. O poltrão não pode ser resignado, assim como o orgulhoso e o egoísta não podem ser obedientes. Jesus foi à encarnação dessas virtudes desprezadas pela antiguidade materialista. Chegou no momento em que a sociedade romana perecia nas fraquezas da corrupção, e vieram fazer brilhar, no seio da humanidade abatida, os triunfos do sacrifício e da renúncia à sensualidade.
            Cada época é assim marcada pelo cunho da virtude ou do vício que a devem salvar ou perder. A virtude da vossa geração é a atividade intelectual, seu vício é a indiferença moral. Digo somente atividade, porque o gênio se eleva de súbito e descobre de relance os horizontes que a multidão só verá depois dele, enquanto a atividade é a reunião dos esforços de todos, para atingir um alvo menos brilhante, mas que prova a elevação intelectual de uma época. Submetei-vos ao impulso que vimos dar aos vossos Espíritos. Obedecei à grande lei do progresso, que é a palavra da vossa geração. Infeliz do Espírito preguiçoso, daquele que fecha o seu entendimento! Infeliz, porque nós, que somos os guias da humanidade em marcha, o chicotearemos, e forçaremos a sua vontade rebelde, com o duplo esforço do freio e da espora. Toda resistência orgulhosa deverá ceder, cedo ou tarde. Mas bem-aventurados os que são mansos, porque darão ouvidos dóceis aos ensinamentos.



Fonte:http://evangelhoespirita.wordpress.com/

domingo, 4 de maio de 2014

Qual é a missão do Sacerdote de Umbanda?


Uma missão espiritual, mediúnica e sacerdotal, na maioria das vezes, é um compromisso assumido antes de encarnar. Uma missão como esta deve ser algo que dê um sentido para sua vida e para sua encarnação. É servir a algo maior que nós mesmos. Ter uma missão é sentir que existe algo muito especial a ser realizado por nós nesta encarnação. Claro, todos nascem com algo para realizar em vida. No entanto, o sacerdote nasce com a missão de conduzir e orientar pessoas.
Muitos se perguntam como saber ou ter certeza que têm mesmo esta missão? É muito simples,podemos começar dizendo que nunca será uma obrigação. Uma missão como esta é algo sentido no coração, é algo que se deseja e quer realizar, sem esperar nada em troca. Uma missão sacerdotal deve ser sempre um virtuosismo e, claro, “a virtude não espera recompensa”.  A missão sacerdotal é uma missão consigo mesmo, com o Astral, seus Guias, Orixás e com a Umbanda.
Mas antes de descobrirmos uma missão sacerdotal, em primeiríssimo lugar, descobrimos aptidão, interesse e inclinação pela espiritualidade para depois nos identificarmos com a mediunidade. Portanto, antes de conhecer e trabalhar sua missão sacerdotal, é preciso conhecer e trabalhar sua missão mediúnica. Estamos falando da Umbanda, uma religião mediúnica em que os sacerdotes são médiuns de incorporação. Apenas depois de alguns anos trabalhando como médium de incorporação desenvolvido o suficiente para dar passe e consulta, é que este umbandista pode assumir uma missão sacerdotal, o que deverá ser determinado e/ou confirmado por seus Guias espirituais. Mas não basta apenas este médium incorporar um Caboclo ou Preto Velho; antes de assumir uma missão sacerdotal, este médium deve incorporar os valores deste Caboclo, do Preto Velho, da Criança, etc.
O médium deve antes ser ele mesmo quem mais recebeu ajuda destes Guias, para então assumir uma missão junto dos mesmos para ajudar a muitos mais.  Sabemos que a missão mediúnica umbandista passa obrigatoriamente pelo fundamento mais básico da religião, muito bem definido por Zélio de Moraes e o Caboclo das Sete Encruzilhadas: “a manifestação do espírito para a prática da caridade” e “ensinar a quem sabe menos e aprender com quem sabe mais”.  Mas, não podemos esquecer que cada um dá o que tem, cada um faz o que pode e cada um é o que é. Não se espera melancias num pé de laranjas.  Mas também podemos dizer que Deus capacita os escolhidos e que todos são chamados, escolhidos são os que se dedicam mais.
O que quero dizer é que fazer a caridade é importante, ajudar o próximo é bom, mas antes deve-se ajudar a si mesmo se tornando alguém melhor para si e para o próximo. Precisamos entender o que é a caridade, pois esta mesma caridade tem sido objeto de vaidade, quando muitos acreditam estar comprando um pedaço do céu com a sua “caridade”. A maior caridade que podemos dar e receber é a consciência de nossa vida e da realidade que nos cerca. Costumam alegar que incorporar espíritos para evoluir é caridade, como uma obrigação de trabalhar na Umbanda para evoluir, ou trabalhar com espíritos para que eles possam evoluir. Como se não houvessem outras formas e meios de nós ou os espíritos evoluírem.
Num primeiro momento, pode até parecer uma verdade, que esta é a missão: evoluir. No entanto, com o tempo, passa a ser moeda de troca; estamos barganhando nossa evolução e comprando um pedacinho do céu, ou de Aruanda, por meio de uma obrigação, ou trabalho forçado.
O ponto é que uma missão é algo que você faz sem esperar nada em troca, nem evolução, nem pedaço do céu, nem nada. Missão é algo que fazemos de graça e assim é com nosso Guias também, que trabalham por amor a nós e ao próximo. Mesmo as entidades de menos luz, quando estão trabalhando, é porque receberam algo de bom e querem compartilhar. Na Lei e na luz não se barganha, não se negocia doação ou entrega.
Me lembro de ter ouvido uma história em que um homem muito doente, ao ser tratado por Madre Tereza de Calcutá, lhe disse assim: “Madre, eu não faria este seu trabalho por dinheiro nenhum no mundo!”, ao que ela lhe respondeu: “Eu também não!”. Nenhum dos grandes mestres da humanidade, dos grande missionários, fizeram nada esperando algo em troca.
Por isso, uma missão é sempre um AMOR, algo que é inexplicável para quem não tem, não sentiu ou não viveu.  O sacerdote é quase sempre alguém que sente em seu coração que já recebeu muito da religião, que aprendeu, cresceu, viveu, se levantou e quer de alguma forma retribuir.
Mãe Zilméia de Moraes, filha carnal de Zélio de Moraes, dizia que a única diferença entre ela a os médiuns da corrente era a responsabilidade. O sacerdote é um médium de incorporação com mais responsabilidade, com mais atribuições.  O sacerdote, em sua missão, vai atuar como mestre e orientador e, dentro desta missão, talvez, o mais importante que ele tenha a realizar é ajudar cada um dos seus médiuns a encontrarem seus mestres pessoais. A grande missão deste sacerdote é criar ambiente e condições para que cada médium de incorporação consiga um contato real e verdadeiro com seus Guias espirituais. A missão do mestre pessoal, dos Guias espirituais, é ensinar seu médium a tornar-se mestre de si mesmo, o que quer dizer simplesmente ajudá-lo a aprender com a vida.
Quando chegar neste ponto, o médium não precisa mais de sacerdote, nem de religião. Ele abandona todas as muletas espirituais, deixa de ser um pedinte e então descobre que está na Umbanda por amor e não por necessidade, muito menos por obrigação.
A missão do sacerdote não é brincadeira e não pode ser banalizada ou profanada. Entre outras atribuições, podemos dizer que a missão do sacerdote é conhecer a si mesmo, conhecer melhor o ser humano, ser feliz, se autorrealizar e ajudar a todos em sua volta nestas mesmas questões.

Fonte:http://umbandaeucurto.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...